Marília Peres Cakes

5 de jun de 2018

Me ajudem a pensar

Numa atitude inesperada, a Suprema Corte americana decidiu a favor de um confeiteiro que se recusou a fazer o bolo de casamento de um casal gay.
Segundo o boleiro, fazer o tal bolo feria suas crenças religiosas. O boleiro, diga-se de passagem se diz cristão. Lembrando que Cristo nos ensinou em alto e bom som a amarmos a todos sem distinção. Vai ver que para o boleiro Ele ensinou outra coisa. Enfim...

O fato é que esta decisão é polêmica . Onde começa e termina a liberdade individual? Um comerciante pode se dar ao direito de não atender um cliente quando isso viola seus valores morais? Posso ter o direito de não querer atender um determinado cliente e o Estado não pode me obrigar a fazê-lo, certo? Posso ter o direito de achar que Ele me ensinou a ser preconceituoso, e ninguém pode me obrigar a pensar diferente. Visto por esse lado, a decisão foi acertada. Os americanos sempre tiveram orgulho da Primeira Emenda da Constiuição.

Mas.... vamos pensar...
Já pensou se  um banco se recusar a abrir uma conta porque a cliente tem namorada???
Ou se um restaurante não servir a comida a um homem porque ele usa brinco??? Ou um médico se recusar a examinar um gay? Ou uma escola se recusar a receber um aluno que tem cabelo comprido?



2 comentários:

Anônimo disse...

Kika, me desculpe mas discordo de você. O confeiteiro, tem o direito de escolher para quem ele quer trabalhar ou não. Não pode ser obrigado a fazer um trabalho . Se fosse o unicorn confeiteiro.... Não é....então os clientes sejam eles quem for , hetero ou homosexual que escolham outra pessoa para fazer o que desejam....

Anônimo disse...

Kika, para entender o que esse confeiteiro passou, tente imaginar como se sentiria o Chico Buarque se houvesse uma lei obrigando-o a compor o jingle da campanha eleitoral do Bolsonaro. Vc acharia razoável?

Ione