Marília Peres Cakes

18 de abr de 2018

Renatinha Russa


Quando Bob Dylan abocanhou o Nobel de Literatura foi um xororô danado.

Bob não é escritor, é cantor, resmungavam alguns.
Pois para mim, foi mais do que merecido. Porque literatura não é só livro. É também poesia e estória. É saber colocar em letra o que vai no coração e na alma. Bob fez isso como ninguém. Cantou a revolta, a paz e a indignação. Revolucionou os costumes e mudou o mundo. Um homem e sua música.
Visto por esse prisma, temos lá Bob e por aqui, Renato Russo.
Renato era simplesmente genial. Além de músico talentoso, era um letrista espetacular, um escritor e um poeta. Talvez ele seja hoje um dos grandes poetas brasileiros da nova geração, sim, porque as  suas músicas são pura poesia.
Suas letras profundas, rebeldes, revolucionárias, foram um oásis nos atormentados anos 80 e 90, onde não tínhamos ídolos, nem ideologias. Não havia o que combater, a não ser o tédio. Não havia pelo que lutar. Renato então nos propôs: vamos então lutar para sermos nós mesmos!  ´´Acho que gosto de São Jorge e São Sebastião. E eu gosto de meninos e meninas´´. Vamos lutar  para sermos pais e filhos, ´´quero colo, vou fugir de casa, posso dormir aqui com vocês´´. Vamos lutar  por um Brasil mais justo como João de Santo de Cristo de ´´Faroeste Caboclo´´.

Roqueiro rebelde, ele ousava cantar para uma legião de fãs que esperavam bomba: ´´Disciplina é liberdade. Compaixão é fortaleza´´. Falava de santos, para garotos incrédulos e implorava que ´´é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã´´.
Renato Russo e sua poesia, tal e qual Dylan, marcaram uma geração. Para mim, Legião Urbana sempre foi, e sempre será,  a maior e melhor banda de rock brasileira de todos os tempos.

P.S. isso tudo é porque passei o dia ouvindo Legião Urbana no volume máximo, no carro, no quarto, no banheiro, no escritório. E não só no ouvindo, ah não! Eu canto como se fosse eu a líder da banda!




Um comentário:

Anônimo disse...

Um poeta, um cantor com a capacidade de nos fazer sentir sua alma em cada música. Lindo é ver essa capacidade de tocar näo só a mim geração Legião, como também meu filho de apenas 8 anos.
Ouvir Renato é na minha opinião estar bem colado com Deus.

Bjs

Cláudia Brugni