Tahari. Pampulha e Belvedere

Tahari. Pampulha e Belvedere

17 de abr de 2018

O lápis que parou a bala


Malala Yousafzai  não deixou mesmo que uma bala a calasse.

Nem uma bala, nem a violência dos radicais islâmicos, nem um mundo hostil às mulheres. 
Tal qual Marielle, se acharam que matando-as fossem cala-las, erraram, queridos.
A voz de ambas foi amplificada em mil!
Malala virou símbolo da resistência contra a violência, recebeu o Prêmio Nobel em 2014 e tornou-se uma mulher genial e uma grande escritora. 
Seu primeiro livro infantil foi elogiadíssimo pela crítica especializada e encantou os leitores ao redor do mundo.
Sua história é contada contada de maneira delicada e poética, mas com toda a coragem e força.
Um exemplo para meninos e meninas que tem um mundo inteiro para enfrentar.

Leitura obrigatória para os pequenos.



5 comentários:

Anônimo disse...

Jesuuuuuuuus toma conta, Kika!!! Comparar Malala com Marielle?? É falta de assunto?

Anônimo disse...

Kika, você que é decoradora poderia fazer um post nos explicando como um triplex como o do Lula pode ser avaliado em mais de 2 milhões. Pelo seu trabalho, você deve ter noção dos custos, né? Com mais de 1 milhão não dá nem pra colocar um fogão decente?

Kika Gontijo disse...

Anônimo primeiro!
Não é falta de assunto, não!!! Aliás, o que não falta pra mim é assunto! É a mais pura convicção!!! Malala, Marielle, Maria da esquina, Joana sem nome, seu vizinho, o meu vizinho. Todos os que são, foram ou serão vítimas da violência, da truculência dos arrogantes, da injustiça, da intolerância, do esquecimento, do preconceito, todos tem, pra mim, o mesmo valor. Não sei para você, mas acho impossível medir sofrimento e dor. Não sei se existe um aparelho pra isso.
Beijos carinhosos,
Kika

Kika Gontijo disse...

Anônimo segundo!
Não sei avaliar imóveis! Mas é claro que existem cozinhas de 100 mil e existem cozinhas de 5.000. Depende do quanto você tem ou está disposto a pagar. No caso do Lula imagino que como o dinheirinho não era dele, 100 mil foi pouco!!!
Aliás, o dinheirinho era meu, seu, nosso!!!! Fogo, né?!
Beijos,
K

Anônimo disse...

Concordo com você no quesito de que todas as vidas têm o mesmo valor, e, assim sendo, então vc ficaria todos os dias lamentando no seu blog, porque são milhares as vítimas de violência só nesse Brasil, Mariellle não as representa. São trabalhadores, policiais, pessoas honestas, apartidárias, etc., povo mesmo.