30 de set de 2016

A Felicidade Não Se Compra


Você já tentou ver a sua vida em perspectiva? Como se sua vida fosse um filme e você fosse um expectador?
Tente!!!!!
E o que você percebeu? Você não é um privilegiado? Você tem saúde, dois braços, duas pernas, é forte e sacudido, tem amigos, família, um teto para morar. E ainda que nada disso seja perfeito ou exatamente do jeito que você sonhou, não é maravilhoso?
E agora me responda? Você é grato por isso ou está sempre em busca de algo que não tem ?

Pois foi esta importante reflexão que nós, privilegiados membros deste Clube do Filme fizemos ontem, com o filme do mês A Felicidade Não se Compra.











Dirigido por Frank Capra, o filme foi uma espécie de homenagem ao americano comum, devastado pelo pós guerra. Capra, um gênio vencedor de tantos Oscars, se naturalizou americano e, A Felicidade foi a forma que ele encontrou de agradecer ao país que o acolheu.
O filme conta a vida nem sempre perfeita, nem sempre bem sucedida de George Bailey, um homem gente fina, que num determinado momento não consegue resolver seus problemas financeiros e familiares,  e 
chega ao cúmulo de querer se matar.
Mas George tem amigos na terra - e no céu - e uma mulher espetacular. E tendo isso, queridos, nenhum homem pode reclamar da vida!


Delicado, divertido e tocante o filme é perfeito para os tempos alucinados que vivemos, onde a crise financeira assola os lares e descontrolas os arrimos das famílias. Tempos em que os amigos são os que apenas tomam champagne ao nosso lado e a família é descartável. Tempos em que ter fé é uma chatice, rezar é uma perda de tempo e  perseverar no que acredita é um atraso.
Tempos em que a vida é tão banal que a trocamos por dietas malucas,  por uma obsessão insana a um padrão de beleza, por drogas , por  remédios tarja preta que prometem a alegria instantânea, por atitudes impensadas, pela alegria obrigatória. Tempos em que pensar no outro é burrice, estender a mão é coisa de bobo e olhar para o outro é desnecessário. 

A Felicidade Não Se Compra deveria ser passado na TV aberta, no horário nobre, e ser obrigatório, igual à hora do Brasil.













Obrigada, queridos participantes desse Clube, por darem suas opiniões  com o coração.
Ouvi-los e entendê-los é que me faz pensar todos os dias que a Felicidade, de fato,  não se compra, mas posso encontra-la ao lado de pessoas especiais.







































Um comentário:

Anônimo disse...

Grande escolha , Kika !
Ter a oportunidade de ser espectador da própria vida .
Nosso esperado encontro mensal !